os ratos - Dyonelio Machado

Resumo de Os Ratos - Dyonelio Machado


Resumo Os Ratos


Os Ratos - Dyonelio Machado

Créditos: Rosangela Quinelato (www.vestibulandoweb.com.br)

Dyonelio Machado (Nascido em Quaraí RS, psiquiatra pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre) publicou a obra em 1935, uma das mais importantes dentro do contexto literário brasileiro. Ganhou o prêmio machado de Assis.

 

A obra

Os Ratos tem uma linguagem simples, direta, econômica, onde não transparece nenhuma empolgação, apenas a angústia do protagonista Naziazeno em resolver seu problema. Descreve uma sociedade contemporânea preocupada com o dinheiro. Retrata a realidade e mesquinhez dos personagens, através do discurso direto ou indireto. A obra se enquadra no movimento modernista brasileiro, que tem como característica o linguajar simples, coloquial, direto, sem rodeios, nem sentimentalismo. Outra característica é o tempo de ação. A história se baseia em 24 horas de angústia e preocupação em arranjar o dinheiro para quitar a dívida com o leiteiro.

Dyonelio Machado era comunista e critica nessa obra a existência alienada do homem no capitalismo. Revela profunda pesquisa que o autor faz do individual, saindo da parte para chegar ao todo. Faz uma descrição microscópica de gestos, idéias, pensamentos e impulsos dos personagens. Através da influência de Freud em sua formação psiquiátrica, ele sabe que é através dos pequenos traços que iluminam as atitudes, ações, e comportamentos do ser humano, onde os valores dissolvem e perdem o sentido. Trata-se de uma leitura complexa onde o narrador semeia os vestígios e o leitor se converte em investigador.

O autor retrata o problema enfrentado por Naziazeno e o leiteiro que entrega o leite que alimenta seu filho Mainho. Por falta de pagamento por vários dias consecutivos, o leiteiro adverte a esposa de Naziazeno, Adelaide, que ele terá apenas mais um dia para quitar a dívida de 53 mil réis referente ao leite da criança e deixa um recado “Lhe dou apenas mais um dia”. A esposa apavorada recorre a Naziazeno que não tem meios para resolver o problema.

 

Resumo de Os Ratos

Em apenas 24 horas intermináveis o autor retrata toda a angústia, desespero e humilhação do protagonista em conseguir o dinheiro para quitar a dívida com o leiteiro. Naziazeno pensa em solicitar ao Diretor da repartição, Dr Romeiro, que já o socorreu outras vezes quando seu filho estava doente.

Ao chegar ao trabalho ele tentou várias vezes encontrar o Diretor e todas foram sem sucesso. Ficou horas a esperar pelo Diretor, procurou no canteiro de obras, na repartição e tudo em vão.

Ele dividiu sua preocupação com Alcides que propôs ajudá-lo e disse-lhe para procurar o Andrade que lhe devia uma comissão. Após andar sob o sol por vários quarteirões e chegar a casa de Andrade, corretor da rua quinze, este lhe disse que não devia nada ao Alcides e que ele recorresse ao subgerente do New York Bank, pois ele é quem devia lhe pagar a comissão. Naziazeno vai embora frustrado, pois já passa da hora do almoço e ainda não tem uma solução para seu problema. Pensou em procurar o subgerente para receber a comissão, mas achou melhor conversar primeiro com Alcides, mas não o encontrou. Procurou-o por vários cafés e nada de encontrá-lo. Resolveu ir à procura do subgerente que estava de viagem para o Rio.

Como o horário de almoçar já havia passado, Naziazeno tinha fome, muita fome, mas não tinha dinheiro para o almoço. Precisava arranjar dinheiro para o almoço. Ele queria encontrar com Otávio Conti. A caminho do local para encontrá-lo ele se deparou com Costa Miranda a quem pediu dez mil réis para almoçar. Ele lhe deu 5 mil réis e mandou um recado ao Alcides, que quitasse a letra com o agiota e limpasse seu nome.

Após conseguir o dinheiro Naziazeno fica na dúvida se irá almoçar, pois àquela hora já não tinha mais nada de bom para comer. Ao andar pela rua e observar os restaurantes se deparou com uma roleta nos fundos de uma Tabacaria. Ele já estava zonzo de fome, mas apenas tomou uma água e decidiu tentar a sorte no jogo. Após várias tentativas, umas com sorte e outras sem, ele perde os 5 mil réis. Ele não tem mais noção do tempo.

Sai andando pelas ruas sem rumo e se depara com um senhor de meia idade a quem já recorrera antes e teria que resgatar um título. Explicou-lhe as suas dificuldades e solicitou-lhe outro empréstimo que foi negado. Suplicou, explicou que não tinha almoçado, mas o homem apenas disse que entendia sua dificuldade, mas que não poderia ajudar. Naziazeno o segue e através de seu desespero solicita de novo e lhe é novamemte negado. O home quer fugir dele, mas ele continua em sua insistência. O home sobe no bonde e o deixa para trás.

Perdido mais uma vez, ele fica a andar sem rumo. Passa por ruas com pequenas construções, se depara com um rio e areia e continuar a vagar perdido. A tarde chega.

No limite de seu desespero ele consegue penhorar a jóia de um amigo e resolve seu problema temporariamente. Compra presentes para a esposa e Mainho, seu filho e vai para casa no início da noite. Após o jantar ele se deita, mas não consegue dormir e pensa em ratos roendo seu dinheiro. Sua frio, pois ele tem a certeza de novas inquietações e angústias, pois ao amanhecer ele se deparará com as mesmas preocupações e dívidas e  ao iniciar outro dia caminhará em busca de uma solução.

 

Tema

O tema da obra Os Ratos é a massificação do homem contemporâneo, sozinho na multidão. O autor prima pela análise psicológica que relata o drama financeiro de um homem comum, que trabalha em uma repartição, cercado de pessoas preocupadas consigo mesmas.

 

Compartilhe este site com seus amigos!

Vestibulando Web - Copyright 1999-2010. Todos os direitos reservados.
Resumo Os Ratos - Dyonelio Machado

Ponto.Br