Eutrofização

Atualizada em: 30/07/2014

Processo de eutrofização reduz teor de oxigênio dissolvido e provoca morte de organismos aeróbios maiores.

Eutrofização

Nome dado ao aumento de nutrientes na água (principalmente fosfato e nitrato), ocasionando um aumento significativo na população de algas e de microorganismos decompositores na água, levando a uma brusca redução do teor de oxigênio dissolvido. Isso provoca a morte de organismos aeróbios maiores como, por exemplo, peixes.

Etapas da eutrofização:

- Aumento da quantidade de material biodegradável (esgoto orgânico) na água;

- Aumento da população de organismos decompositores (aeróbios e anaeróbios);

- Redução da concentração de oxigênio dissolvido na água;

- Mortalidade de organismos aeróbios maiores, como peixes e crustáceos;

Eutrofização- Os animais mortos sofrem decomposição e, então, mais matéria orgânica é disponibilizada no meio, o que favorece a proliferação de mais organismos decompositores, com maior redução de teor do oxigênio. Com a brusca redução do teor de oxigênio, a decomposição torna-se anaeróbia, com produção de gases tóxicos como, por exemplo, o gás sulfídrico.

Com a eutrofização há um predomínio de bactérias anaeróbias estritas e facultativas no fundo do lago ou represa, enquanto na superfície pode haver uma estreita camada de algas.

O processo ocorre com mais frequência em ambientes lênticos, isto é, de águas paradas, como lagos e represas, embora possa ocorrer em rios. Embora o fenômeno possa ocorrer naturalmente, o lançamento de esgotos domésticos e industriais, além de fertilizantes usados em áreas agrícolas potencializam a ocorrência do fenômeno.


Alguns impactos à qualidade da água devido à eutrofização:

Eutrofização- Perda da transparência (a transparência é medida através do mergulho de um disco na água, conhecido como disco de Secchi).

- Redução do teor de oxigênio dissolvido;

- Crescimento exagerado de algas;

- Redução de macrófitas, devido à redução do teor de oxigênio;

- Aumento na quantidade de cianobactérias (algas azuis), muitas delas não ingeridas pelo zooplâncton);

- Produção de gases de odor desagradável e, em certos casos, tóxicos;

- Produção de cloroforme, um composto carcinogênico, produto da reação da matéria orgânica com o cloro usado nas estações de tratamento.

Em fevereiro de 2010, 85,6 toneladas de peixes morreram na Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio de Janeiro. A hipótese inicial era a de eutrofização devido ao lançamento de esgotos domésticos. Contudo, o laudo do Museu Nacional constatou a proliferação excessiva da alga Chrysochromulina cuja toxina afeta os peixes. A proliferação da alga seria devida ao excesso de chuvas, o que deixa a água mais doce.