- UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE -
- PROVA DE HISTÓRIA - VESTIBULAR 2001 - GRUPO I -

01) A crise do Império Romano foi marcada por um processo que:
a) alterou as relações sociais e políticas, determinando novos vínculos, assentados, principalmente, na
posse de terras.
b) foi responsável pela consolidação e expansão das instituições políticas e sociais romanas por toda a
Europa.
c) criou novas atividades econômicas e intensificou as relações comerciais entre o Império Romano do
Ocidente e o Império Romano do Oriente.
d) favoreceu o crescimento das cidades, devido ao êxodo rural provocado pelos constantes ataques dos
invasores bárbaros.
e) transformou as terras de cultivo em pastagens cercadas, tornando-as propriedades privadas, o que
ocasionou a marginalização dos agricultores.

02) O cavaleiro se situava no centro de vários círculos concêntricos, cuja coesão se devia à lealdade dele. Devia ser leal aos componentes de todos esses círculos. Porém, havendo exigências contraditórias, devia prevalecer a fidelidade aos mais próximos.
                                  
Georges Duby. Guilherme, o marechal.
Assinale a alternativa que apresenta alguns deveres e valores que faziam parte da ética de um cavaleiro medieval.
a) Ser leal a todos os componentes de seu exército; agir com valor e coragem, combatendo com o objetivo de
vencer e obedecendo a determinadas leis, como a de enfrentar o inimigo à vista dele e em campo aberto.
b) Em troca de proteção, os cavaleiros deviam aos senhores feudais algumas obrigações e taxas. Obrigações,
como o juramento de fidelidade que os obrigava a combater os inimigos dos vassalos e taxas, como a talha e a corvéia.
c) Os ideais de honra eram baseados em um rígido sistema de castas, e as normas de fidelidade e conduta
dos cavaleiros baseavam-se em relações dinâmicas de produção que determinavam a posição econômica dos suseranos e dos senhores feudais.
d) Seus deveres compunham-se de compromissos de reciprocidade vertical entre senhores e cavaleiros. Os
seus valores definiam a sua condição de submissão e a sua exploração pelos membros da nobreza e do clero.
e) Através da cerimônia da homenagem, era oficializada uma relação de dependência recíproca entre
os cavaleiros que passavam a obedecer a seus suseranos. Essa cerimônia era o alicerce da relação entre os servos e os senhores feudais.

03) Renascimento é a denominação usual para as mudanças de caráter cultural ocorridas nos países europeus durante o período que vai, aproximadamente, de 1300 a 1650. No campo das ciências e das artes podemos considerar como expressões desse período os trabalhos de:
a) René Descartes, Ludwig van Beethoven e Thomas Malthus.
b) Augusto Comte, Adam Smith e Igor Stravinsky.
c) Fillippo Marinetti, Luigi Russolo e R. Colligwood.
d) Johann Kepler, Josquin des Prés e William Shakespeare.
e) Richard Wagner, Georg Wilhelm Hegel e Francisco Goya.

04) A burguesia tinha como projeto político a defesa da propriedade privada e os camponeses defendiam a propriedade coletiva. Ambas as classes combatiam a ordem monárquica absolutista, que lutou pelos interesses da aristocracia que a sustentava. O principal ideólogo do pensamento burguês da época foi John Locke que afirmava: A preservação da propriedade é o grande e principal objetivo da união dos homens em comunidade, colocados sob governo.
Assinale a alternativa que corresponde a essa etapa do processo de consolidação da burguesia.
a) Revolução Francesa                         d) Revolução Americana
b) Revolução Inglesa                          e) Revolução Alemã
c) Revolução Russa

05) Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1829-1895) acreditavam que era preciso conhecer a estrutura econômica, para entender o funcionamento da sociedade e as mudanças ocorridas na história da humanidade. Para que se compreendam as idéias coletivas, o funcionamento do Estado, o modo como algumas classes sociais dominam as outras, é necessário estudar como os indivíduos se relacionam para trabalhar e produzir.
O nome dado a essa teoria, sobre as leis do desenvolvimento social e concepção da história, é:
a) Materialismo Histórico.                    d) Socialismo Utópico.
b) Capitalismo.                               e) Anarquismo.
c) Socialismo.

06) No Japão moderno, o trabalho e a educação são supervalorizados. É normal que um cidadão japonês sinta-se humilhado porque está desempregado, estudou pouco ou, até mesmo, porque mudou de emprego. Os conglomerados industriais e financeiros possuem hino e bandeira e chegam a se constituir como a segunda família de seus empregados.
As origens do Japão atual estão ligadas à Era Meiji que corresponde:
a) à criação dos Zaibatsu, empresas multinacionais que promoveram, após o final da II Guerra Mundial,
a privatização da economia japonesa e a abertura de seu mercado interno para as importações de produtos estrangeiros.
b) ao período posterior à II Guerra Mundial, que levou o Japão, em parceria com os Estados
Unidos, a industrializar-se velozmente para deter a ameaça comunista representada pela Coréia do Norte.
c) ao processo que levou a união dos clãs rivais do Xogunato com o imperador Mutsu-Hito, promovendo
a centralização política e a modernização através da industrialização.
d) ao programa das quatro modernizações, desenvolvido pelo governo do primeiro ministro Deng
Xiaoping, que visava à modernização da agricultura, da indústria, da defesa e das áreas da ciência e da tecnologia.
e) à chamada Terceira Revolução Industrial, nova etapa produtiva que passou a exigir mais investimentos
nas pesquisas e na implantação tecnológica, da microeletrônica, da biotecnologia e da química fina.

07) Crises econômicas estimularam o crescimento dos partidos de esquerda na Europa durante as primeiras décadas do século XX. A burguesia incentivou setores da classe trabalhadora e as classes médias a buscarem um regime autoritário que traria ordem e segurança. Assinale a alternativa que apresenta as características desse regime.
a) Anticomunismo, totalitarismo, antiliberalismo, culto à violência, militarismo, racismo e o nacionalismo
xenófobo.
b) Capitalismo de estado, revolução permanente, racionalismo, anti-semitismo, individualismo e o imperialismo.
c) Nacional socialismo, anti-clericalismo, internacionalismo, corporativismo, revisionismo, neopositivismo e o semitismo.
d) Positivismo, sindicalismo, antiliberalismo, anti-semitismo, coletivismo, idealismo, fascismo e o anti-operariado.
e) Autoritarismo, neocapitalismo, liberalismo, arianismo, racionalismo, corporativismo, individualismo
e o pluripartidarismo.

08) Aqui espero tomar, senão me engano
    De quem me descobriu, suma vingança
    E não se acabará só nisso o dano
    Da vossa pertinaz confiança:
    Antes em vossas naus vereis a cada ano,
    Se é verdade o que o meu juízo alcança,
    Naufrágios, perdições de toda sorte,
    Que o menor mal de todos seja a morte!
Os versos de Camões, em Os lusíadas, retratam os perigos dos navegantes portugueses no mar infinito
e, em especial, um episódio ocorrido com a esquadra de Cabral rumo às Índias após o descobrimento do Brasil, quando dobrava o Cabo da Boa Esperança. Assinale a alternativa correta.
a) Os versos falam do naufrágio da nau de Bartolomeu Dias, que anos antes dobrara no mesmo
lugar o Cabo das Tormentas, abrindo caminho para atingir as Índias.
b) Camões descreve o episódio da nau de Diogo Dias, desgarrada da esquadra.
c) Os versos falam da nau de Sancho de Tovar, encalhada em Melinde e posteriormente incendiada por ordem de Cabral.
d) Camões refere-se à nau de Vasco de Ataíde, que desapareceu no início da viagem de Cabral ao Brasil.
e) O poeta fala da segurança das viagens que acompanharam o período denominado "Carreira das Índias".

09) A divisão do Brasil em capitanias hereditárias não seria apenas a primeira tentativa oficial de colonização portuguesa na América, mas também a primeira vez que europeus transportaram um modelo civilizatório para o Novo Mundo. A esse respeito é correto afirmar que:
a) o modelo implantado era totalmente desconhecido dos portugueses e cada donatário tinha reduzidas
dimensões.
b) representava uma experiência feudal em terras americanas, sem nenhum componente econômico
mercantilista.
c) atraiu sobretudo a alta nobreza pelas possibilidades de lucros rápidos.
d) a coroa com sérias dívidas transferia, para os particulares, as despesas da colonização, temendo perder
a colônia para os estrangeiros que ameaçavam nosso litoral.
e) o sistema de capitanias fracassou e não deixou como conseqüências a questão fundiária e a estrutura
social excludente.

10) Na década de 1870, as relações entre o Estado e a Igreja se tornaram tensas. A união entre trono e o altar, prevista na Constituição de 1824, representava, em si mesma, fonte potencial de conflito.
                 
Boris Fausto
Identifique a causa fundamental do conflito mencionado pelo texto acima.
a) O Estado, durante o império, reconhecia a religião católica como oficial mas não interferia nas
questões eclesiásticas.
b) Na década de 1870, o clero não passou a exigir maior autonomia frente ao Estado.
c) Em virtude do beneplácito, a proibição do papa do ingresso de maçons nas irmandades desencadeou
um atrito entre Estado e Igreja, resultando na prisão de dois bispos pelo governo.
d) Pelo fato de a maçonaria não ter nenhuma expressão na política interna do império, a proibição
papal não trouxe repercussões.
e) O Estado laico foi implantado logo após o conflito com a Igreja, para contornar a oposição do
clero ao Imperador.

11) A política externa brasileira foi marcada por constantes conflitos na região do Prata ao longo do século XIX porque:
a) o Brasil temia a ascensão dos colorados no Uruguai, partido que fazia constante oposição ao Império
Brasileiro.
b) eram pontos fundamentais para o interesse brasileiro na região a livre navegação e o equilíbrio
do poder na bacia platina.
c) o Império Brasileiro apoiava o caudilho argentino Juan Manuel Rosas, defensor intransigente
dos interesses federalistas de Corrientes e Entre-Rios.
d) velhas questões de fronteira e apoio aos interesses ingleses e franceses eram sustentados pelos paraguaios
contra a hegemonia brasileira.
e) o Brasil incentivava a reconstituição do Vice-Reinado do Prata para manter o equilíbrio político
na região.

12) Os vaqueiros e os peões do interior escutavam-no em silêncio, intrigados, atemorizados, comovidos... Alguma vez, alguém o interrompia para tirar uma dúvida. Terminaria o século? Chegaria o mundo a 1900? Ele respondia (...) Em 1896, mil rebanhos correriam da praia para o sertão e o mar se tornaria sertão e o sertão mar (...).
                                        Mario Vargas Llosa
O carismático Antonio Conselheiro, de que fala o texto acima, liderou a Revolta de Canudos em 1897.
Dentre as causas dessa revolta, apontamos:
a) o isolamento do sertanejo, o coronelismo e a luta pela posse da terra.
b) o apoio incondicional do sertanejo à Monarquia.
c) a impossibilidade de adaptação do sertanejo aos valores republicanos.
d) o crescimento e a modernização da economia nordestina.
e) a oposição contra a Igreja Católica, aliada dos monarquistas.

13) Dentre os objetivos do movimento revolucionário de 1930, que conduziu ao poder Getúlio Vargas, apontamos:
a) reorganizar a estrutura econômica do país, violentamente atingida pela crise de 1929, e pôr fim
à hegemonia política da burguesia cafeeira.
b) combater os movimentos tenentistas que, ao longo da década de vinte, desestabilizaram politicamente
a nação.
c) não fazer nenhuma composição política com grupos oligárquicos, mantidos isolados do poder
durante a Era Vargas.
d) atender exclusivamente às reivindicações da burguesia industrial, base política do movimento.
e) restabelecer a monocultura cafeeira, através do financiamento externo dos estoques, em virtude da
facilidade de obtenção de créditos.

14) A respeito do governo Juscelino Kubitschek, assinale a alternativa correta.
a) O setor agrícola sofreu grande impulso econômico, fixando o trabalhador no campo e detendo o êxodo
rural.
b) A Operação Panamericana (OPA), proposta por Kubitschek, recebeu, na época, total apoio dos E.U.A..
c) O Fundo Monetário Internacional deu total sustentação ao governo de Kubitschek, sem impor sacrifícios à política econômica desenvolvimentista.
d) O extraordinário crescimento econômico do período anulou as diferenças regionais no país e não
concentrou a renda.
e) A política desenvolvimentista apoiava-se nos investimentos diretos estrangeiros, nos empréstimos
externos e nas emissões, tendo o Estado como promotor do crescimento econômico.

15) O desemprego nas áreas metropolitanas cresce, impulsionado por uma selvagem política de redução de custos e de modernização tecnológica posta em prática especialmente no setor industrial. (...) A tendência ao crescimento do trabalho autônomo, precário, de remuneração incerta e baixa se acentua. (...) Em contrapartida assistimos à crescente imobilização do Estado, dilapidado pelas altas taxas de juros, afogado em dívidas, incapaz de levar avante políticas de desenvolvimento ou políticas sociais.
                        Fernando A. Novais e João M. Cardoso de Mello
Esse contexto histórico descreve a economia brasileira no período:
a) da década de sessenta.                     d) da década de noventa.
b) da República Velha.                        e) da década de vinte.
c) do Estado Novo.