Gamificação na Educação: o que é e como pode ser aplicada

Durante muitos anos a educação tradicional tomou conta do mundo, a informação e o conhecimento eram encontrados em livros nas bibliotecas e nas universidades. Mas hoje temos um cenário completamente diferente; não deixamos de ter livros e universidades (evoluímos) e criamos diversas outras formas de aprender, inclusive com vídeos de 15s no Tik Tok.

Porém a mais recente descoberta e estudada em diversos campos da psicologia comportamental é a Gamificação, que por definição é o uso de mecânicas e dinâmicas de jogos para engajar pessoas, resolver problemas e melhorar o aprendizado, motivando ações e comportamentos em ambientes fora do contexto dos jogos, contexto esse do entretenimento.

Durante a pandemia do covid-19 e a obrigatoriedade de permanecer em casa, as universidades e faculdades se adaptaram colocando suas plataformas de forma online e, como  já vinham fazendo, só que agora a passos largos, é incentivar o aluno a estudar e permanecer no curso, mesmo a distância, colocando coisas como prêmios, classificações (incentivando a competitividade saudável) e desafios.

A gamificação é reproduzível em qualquer área da vida, inclusive nos próprios estudos. O aluno sozinho consegue implementar um jogo em sua rotina de estudos para se automotivar e ao mesmo tempo aliviar a pressão que isso tem na vida, principalmente um candidato pré-vestibular.

“Em todo trabalho que tem que ser feito, existe um elemento de diversão. Você encontra a diversão e pronto! O trabalho é um jogo”. – Mary Poppins

Para reproduzir uma gamificação no jogo o primeiro passo é ser dado é definir quando é a vitória, ou seja, quando terminar. Ninguém gosta de jogar jogos infinitos que não há um destino. E esse destino pode ser uma meta que seja considerada uma vitória, por exemplo, acertar 99% das questões de uma determinada matéria.

Na sequência, definir as regras de condução do jogo é o segundo passo. Dessa vez, o estímulo é evitar a autossabotagem e o que podemos associar aos hacks, isso é, programas que não seguem as diretrizes do jogo e dão vantagem a um jogador em específico, e a punição é a expulsão nesse caso.

Para o jogo dos estudos, a sugestão é evitar coisas que geralmente pesam na consciência quando se está agindo.

Por exemplo, quando está enrolando para começar ou dando um jeitinho que no fundo sabe que é uma forma de trapaça, mas pensamentos de racionalização surgem nesse momento para justificar toda e qualquer jogada inválida. Claro, só será inválida se realmente houver regras, caso contrária, qualquer coisa vale, até mesmo nem jogar.

O terceiro e último passo é tão importante quanto os dois anteriores é a elaboração das recompensas. As recompensas são a descoberta mais eficaz da psicologia quando se trata de criar situações para mover o ser humano a realizar algo. É basicamente assim que ele vive e se move, fugindo da dor e indo atrás das recompensas.

As recompensas podem variar de acordo com as dificuldades das etapas do jogo, para que não haja um descompasso. Por exemplo, ao colocar as melhores recompensas logo no início e com muita facilidade, as outras recompensas não serão tão estimulantes assim a ponto do estudante se propor a jogar o jogo com motivação suficiente.

Os exemplos de recompensa que podemos dar é qualquer atividade que gere hormônios de prazer no estudante, podendo ser coisas como ler um livro, jogar um RPG, sair com algum amigo, até uma comida diferente, um doce, coisas que você tem associações boas, memórias boas e estimulantes. Dessa forma, ao selecionar algumas, lembre-se de colocar em uma ordem progressiva, para que a vitória seja recompensada com um prêmio à altura.

E para dar um ganho extra em produtividade a dica bônus é elaborar jogos em equipe. Os melhores jogos são jogados em equipe, pois estimulam a cooperação, competitividade e geram uma aura de segurança em torno dos estudantes, sendo provavelmente uma das formas mais divertidas de aprender e compartilhar o conhecimento também.

Sabemos que temos algumas formas de aprender como ler, escrever, escutar, mas dentre elas a que mais têm resultado em termos percentuais na sedimentação, isto é, a absorção por completa, da informação é quando ensinamos. Reúna os amigos e proponha um jogo educativo coletivo, você pode se surpreender com o resultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.