Acidentes Nucleares

Veja os impactos dos Acidentes Nucleares

O mais recente acidente nuclear aconteceu no sábado, dia 12 de março de 2011, no Japão. Na ocasião, houve uma explosão no reator 1 da usina nuclear de Fukushima. O acidente recebeu grau 4 de magnitude (que vai até 7), o que significa “com consequências locais”.

O contato contínuo à radiação causa danos aos tecidos vivos, tendo como principais efeitos a leucemia, tumores, queda de cabelo, diminuição da expectativa de vida, mutações genéticas (a taxa de mutações é diretamente proporcional à dose de radiação recebida pelo organismo – e se tais mutações ocorrem nas células germinativas, poderão ser transmitidas aos descendentes por várias gerações) , lesões a vários órgãos e, em casos de exposição a doses muito altas, morte.

Um grave isótopo radioativo é o estrôncio 90 (Sr90) , liberado em testes nucleares e em vazamentos de usinas. Esse isótopo, com uma meia-vida de 29 anos, acumula-se ao longo da cadeia alimentar (veja matéria sobre bioacumulação) e, como apresenta um comportamento químico muito semelhante ao cálcio, instala-se nos ossos e afeta a medula óssea, tecido em que são produzidas as células sanguíneas. A consequência é a leucemia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.