Substantivos


A classe dos substantivos tem esse nome porque dá significado e sentido a diferentes substâncias, sejam elas reais ou irreais. Tudo o que existe necessita de um nome, e o substantivo é responsável por nomear as entidades em geral.

Desta forma, os substantivos têm classificações de acordo com o que estão nomeando. As classificações dos substantivos são: concretos e abstratos; próprios e comuns; simples e compostos; primitivos e derivados; e coletivos. Faz-se necessário mencionar que um mesmo substantivo pode possuir mais de uma classificação. Por exemplo, o substantivo “Pedro” é concreto e próprio. Concreto pois designa um ser real, e próprio porque é a designação específica de uma pessoa em particular.

Substantivos concretos e abstratos

Os substantivos concretos designam os seres ou objetos reais e palpáveis, ou seja, que possuem existência própria e independem de outros para existirem. Eles podem possuem uma forma e podem ser visualizados de forma concreta. Como exemplo de substantivos concretos, pode-se citar:

homem – cidade – Maria – fórum – skate – cadeira – árvore – celular – cavalo – bolsa – copo – Brasil

Em contraste com os concretos, há os substantivos abstratos, que dependem de outros seres para se manifestarem. Os substantivos abstratos são termos que nomeiam ações, estados e qualidades, ou seja, necessitam estar atrelados a outros substantivos para existirem. Como exemplo de substantivos abstratos, pode-se citar:

justiça – tristeza – viagem – otimismo – ira – podridão – amor – perdão – saudade – velhice – doença – limpeza

Quanto aos seres fictícios (fadas, duendes, bruxas…), é importante destacar que eles fazem parte da classificação dos substantivos concretos, pois, apesar de serem irreais, possuem uma forma concreta conhecida por todos.

Substantivos próprios e comuns

Os substantivos podem designar os seres de maneira genérica ou de maneira específica. Quando o substantivo se aplica a todos os seres de uma espécie, de maneira genérica, ele é chamado de substantivo comum. Por exemplo:

pessoa – gente – cidade – país – mulher – vizinho – time – hora – mês – tempestade – montanha – ilha

Quando se aplica a determinado indivíduo de uma espécie, de maneira específica, particularizando-o dentro de uma espécie e distinguindo-se dos restantes, é chamado de substantivo próprio. O substantivo próprio sempre é escrito com letra maiúscula. Pode designar nomes de pessoas, cidades, rios festividades, entidades, etc. Por exemplo:

Murilo – São Paulo – Brasil – Janeiro – Austrália – Saturno – Natal – Europa – Londres  – Gabriel – Rio Amazonas – Flamengo

Na frase a seguir, observa-se a ocorrência de um substantivo próprio e um substantivo comum:

O meu gato se chama Bob

Gato: substantivo comum

Bob: Substantivo próprio

Substantivos simples e compostos

O substantivo simples é formado por um único elemento, por exemplo:

água – futebol – rei – amigo – compra – venda – passeio – réptil – férias – flor – roupa – prima

O substantivo composto é formado por dois ou mais elementos. Existem substantivos compostos que são grafados com hífen, que são chamados substantivos compostos por justaposição (cachorro-quente), e os que são grafados sem hífen, chamados de substantivos compostos por aglutinação (girassol = girar+sol). São exemplos de substantivos compostos:

cachorro-quente; ano-luz; decreto-lei; terça-feira; meio-dia; paraquedas; passatempo; mandachuva; aguardente; pontapé; vaivém; malmequer

O plural dos substantivos compostos pode ocorrer das seguintes formas

– Flexão dos dois elementos que formam a palavra, quando o substantivo composto é formado por palavras variáveis, especialmente substantivos e adjetivos.
Exemplo: matéria-prima e matérias-primas; guarda-noturno e guardas-noturnos.

– Flexão apenas do primeiro elemento, quando o substantivo composto é formado pela união de dois substantivos, sendo que o segundo termo limita o sentido do primeiro.
Exemplo: decreto-lei e decretos-lei; público-alvo e públicos-alvo.

A flexão somente do primeiro elemento também ocorre nos substantivos .

– Flexão apenas do segundo elemento, quando o primeiro elemento do substantivo composto é um verbo ou uma palavra invariável, e o segundo elemento é um substantivo ou adjetivo.
Exemplo: beija-flor e beija-flores; vice-presidente e vice-presidentes.

Substantivos primitivos e derivados

O substantivo primitivo é aquele que não provém de outra palavra da língua portuguesa, por exemplo, a palavra limão, que vem do árabe laimun. Ao contrário do substantivo primitivo, o substantivo derivado se origina a partir de outra palavra da língua portuguesa. Um exemplo de substantivo derivado é a palavra limoeiro, que provém da palavra limão. Abaixo, há uma lista com substantivos primitivos e alguns de seus derivados:

Primitivo / Derivado

mar / marinheiro

papel / papelada

terra / território

jardim / jardinagem

livro / livraria

chuva / chuvada

Substantivos coletivos

Os substantivos coletivos designam um agrupamento de pessoas, de seres, de coisas, objetos ou animais. Como exemplo de substantivos coletivos, pode-se citar:

Assembleia: grupo de pessoas

Banca: grupo de examinadores

Comunidade: grupo de cidadãos

Elenco: grupo de atores, artistas

Exército: grupo de soldados

Legião: grupo de soldados, anjos ou demônios

Prole: grupo de filhos

Tripulação: grupo de marinheiros ou aviadores

Bosque: conjunto de árvores

Buquê: conjunto de flores

Pomar: conjunto de árvores frutíferas

Fornada: grupo de pães

Frota: grupo de carros ou navios

Galeria: grupo de objetos de arte

Atlas: grupo de mapas

Constelação: grupo de estrelas

Gênero dos substantivos

Anteriormente, foram apresentadas as classificações dos substantivos. A seguir, há algumas regras sobre o gênero dos substantivos, que, no português, podem ser masculinos ou femininos. Pertencem ao gênero masculino todos os substantivos que podem ser precedidos pelo artigo “o”; pertencem ao gênero feminino todos os substantivos que podem ser precedidos pelo artigo “a”.

O feminino pode ser formado das seguintes maneiras:

– Trocando a terminação “o” por “a”.
Exemplos: menino e menina, moço, moça, engenheiro e engenheira.

– Acrescentando a terminação “a”.
Exemplos: português e portuguesa, cantor e cantora, agricultor e agricultora.

– Trocando o “ão” final para “ã”, “oa”, “ona”.
Exemplos: catalão e catalã, leão e leoa, valentão e valentona.

– Adicionando as terminologias “esa”, “essa”, “isa”, “ina”, “triz”.
Exemplos: príncipe e princesa, conde e condessa, profeta e profetisa, czar e czarina, ator e atriz.

– Há também os substantivos que tem o feminino formado por palavras completamente diversas.
Exemplos: homem e mulher, bode e cabra, boi e vaca.

– Alguns substantivos são comuns de dois gêneros, ou seja, apresentam a forma masculina e a feminina iguais, e a distinção entre eles é feita pelo artigo que os precede.
Exemplos: o dentista e a dentista, o colega e a colega, o estudante e a estudante.

– Os substantivos epicenos designam alguns animais e possuem somente um gênero. Para indicar o gênero são utilizadas as palavras macho ou fêmea.
Exemplos: cobra macho e cobra fêmea, jacaré macho e jacaré fêmea.

– Os substantivos sobrecomuns se referem a pessoas e possuem um só gênero tanto para o masculino como para o feminino.
Exemplos: A criança – pode ser tanto masculino quanto feminino. A vítima – pode ser tanto masculino quanto feminino.

Grau dos substantivos

Grau é uma propriedade do substantivo que lhe permite exprimir as variações do tamanho de um ser. Por exemplo: livro (tamanho normal), livrinho (grau diminuitivo), livrão (tamanho aumentativo). As variações de grau de um substantivo podem ser feitas das seguintes formas:

– Analítica, em que simplesmente se adiciona um adjetivo após o substantivo: casa grade e casa pequena.

– Sintética, em que adiciona um sufixo ao substantivo: casa, casebre (diminuitivo) e casarão (aumentativo). Abaixo, segue uma lista com o grau aumentativo e diminuitivo de alguns substantivos:

Normal Grau diminutivo Grau aumentativo
abelha abelhita, abelhazinha, abelhinha abelhão
animal animalejo, animalzinho, animálculo animalão, animalaço
asa álula, aselha, asinha asona
bala balinha balázio, balaço
caneca canequinha canecão
cão cãozinho, cãozito, canito, canicho canzarrão, canaz
cara carinha caraça, carantonha, carão
casa casebre, casinha casarão
chapéu chapelete, chapeuzinho, chapeleta, chapelinho chapelão, chapeirão
chuva chuvisco, chuvinha, chuvisqueiro chuvada
copo copinho copázio, coparrão, copaço
criança criancinha criançona
dedo dedinho dedão
dente dentículo, dentinho dentola, dentuça, dentão, dentilhão
faca faquinha facalhão, facalhaz, facão
muro Mureta muralha
nariz narizinho, narizito narigão, nariganga, narigolê, narilão
papel papelucho, papelinho, papelico, papelete papelão
pedra pedrisco pedregulho
porta portinhola, portinha portão
rocha rochinha rochedo
sala salinha, salita, saleta salão
tesoura tesourinha tesourão
vidro Vidrinho vidraça
voz vozinha, vozita vozeirão, vozeiro

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *