Egito Antigo, Lendas, Mitos e obras de intelectuais negros são temas de palestras

A Casa Museu Ema Klabin promove uma série de palestras online sobre as diferentes áreas do conhecimento humano. Há palestras sobre Egito Antigo, Lendas, Mitos e a obra de escritores negros como Astolfo Marques.

Antiga conselheira científica do Museu do Louvre e integrante de três missões arqueológicas no Egito, a pesquisadora Cintia Alfieri Gama Rolland ministra a palestra Além dos faraós: o cotidiano no Egito Antigo, no próximo dia 17 de novembro, das 19h às 21h. A palestra vai mostrar a complexidade da sociedade egípcia, saindo dos temas de estudo sempre associados às elites e à cultura faraônica. Com base na análise da organização social egípcia, serão examinados os pontos estruturais desta cultura como as concepções de profissão, família, alimentação e o post mortem.

O pesquisador Yves Rolland ministra, dia 24 de novembro, das 19 às 21h, a palestra Mitos e lendas da exploração da América: entre monstros e o Paraíso Terrestre. A palestra visa interpretar as origens dos mitos e lendas que contribuíram para forjar um imaginário coletivo das narrativas sobre a exploração da América pelos europeus, cujos nomes às vezes se perpetuam até na toponímia: o Amazonas do Brasil, os gigantes da Patagônia, os canibais a cabeça de cachorro no Caribe, etc. Como reza a tradição, todo monstro guarda um tesouro, esses seres protegeriam lugares maravilhosos, como a Atlântida, o Paraíso Terrestre, as cidades de ouro e o El dorado, ou ainda a Fonte da Juventude. Por meio da análise de mapas, gravuras e textos será evidenciada a importância cultural destas fontes. Yves é doutor em Arqueologia pela Université Lumière, Lyon, participou de escavações arqueológicas e trabalhou para diversos museus de História na França.

Doutor e pós-doutor em sociologia pela Universidade de São Paulo (USP/SP), Matheus Gato, ministra, no dia 20 de novembro, das 11h às 13h, a palestra O 13 de maio e outras estórias do pós-abolição de Astolfo Marques. O encontro analisará as condições sociais de possibilidade para emergência de intelectuais negros no fim do século XIX, levando em conta a trajetória de Astolfo Marques. Uma investigação que culminou na recente publicação da obra, organizada pelo palestrante. Serão examinados os significados contemporâneos do 13 de maio e do 20 de novembro (dia consciência negra) e as diferentes leituras das histórias possíveis a partir da obra de escritores negros. Matheus Gato é professor do Departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas (IFCH-UNICAMP).

As palestras serão transmitidas pela plataforma Zoom com intérpretes de Libras. Ao todo, serão disponibilizadas 450 vagas em encontros gratuitos. As inscrições já podem ser realizadas no site do museu: http://emaklabin.org.br/.

A programação cultural integra o projeto Digitalização da Coleção Ema Klabin, que contou com o apoio do BNDES, a co-idealização de Benfeitoria e SITAWI e a parceria da Beenoculus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.