Desastre Ambiental Barragem de Mariana

Rompimento de barragem em Mariana causa danos ao patrimônio histórico

O rompimento de uma barragem contento rejeitos de uma mineradora, próximo à cidade de Mariana (MG), foi considerado o maior desastre ambiental da história do Brasil. A lama irrompeu por vales, levando tudo que encontrava pela frente. Dezessete pessoas morreram e 2 são consideradas desaparecidas.

A lama atingiu o rio Doce e provocou a morte de milhares de peixes. Dezessete dias após o desastre, o lamaçal chegava ao mar e contaminava o estuário. Além das vidas ceifadas, o rompimento da barragem proporcionou um grande prejuízo social/cultural, com a destruição de residências, pontos de encontro dos moradores e até uma igrejinha histórica de São Bento, datada do século XVIII, foi soterrada. Não se pode deixar de considerar, ainda, que dezenas de sítios históricos que registravam as atividades de mineração do século XVIII foram destruídos.

Acidente da barragem de Mariana pode aparecer nas provas do ENEM

A prova do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM, é bastante imprevisível, mas possui questões focadas em temas da atualidade e que exigem contextualização e transdisciplinaridade. Isso quer dizer que nas questões das provas do Enem você pode encontrar, por exemplo, uma questão de biologia com um pouco de química e contextualização histórica ou social.

Sendo assim, é importante que o candidato fique atento a dicas para organizar a rotina de estudos e de como estudar para o Enem e como fazer uma boa redação. Inclusive, uma excelente opção de estudo é através da resolução de provas antigas do Enem, disponíveis para download com gabarito.

Acreditamos que o acidente da barragem de Mariana seja um tema que poderá ser abordado em diversas questões do Enem, uma vez que é possível cobrar impactos ambientais do acidente, impactos sociais, questões abordando aspectos químicos. Por isso, faça uma leitura atenciosa de materiais relacionados a este tema.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.