Questões sobre Rompimento de Barragens

Por Atualizado em 02/02/2019 16:33

01) (UNESP/2016.2) Os testes de qualidade de água realizados nos rios atingidos pela lama proveniente do rompimento da barragem de uma mineradora, em Mariana (MG), identificaram metais pesados em proporções fora dos parâmetros permitidos. Nessas águas, os metais identificados em maior quantidade foram o ferro e o manganês, mas alguns testes também apontaram grande quantidade de mercúrio.

(http://epoca.globo.com. Adaptado.)

Assinale a alternativa que apresenta um impacto ambiental esperado decorrente da presença de metais pesados nas águas dos rios atingidos.

A) A lama contendo metais pesados aumenta a densidade da água, o que dificulta o revolver das águas e a incorporação natural de gás oxigênio proveniente do ar atmosférico, diminuindo a concentração deste gás na água.
B) A grande quantidade de metais aumenta a concentração de partículas em suspensão na água, tornando-a turva o suficiente para impedir a entrada de luz, o que inviabiliza a fotossíntese pelo plâncton.
C) A presença de grande quantidade de manganês e ferro nas águas favorece o processo de eutrofização, pois há a proliferação de algas que, ao morrerem, são decompostas por bactérias que consomem o gás oxigênio da água.
D) O excesso de minério de ferro na água provoca a queda da concentração de gás oxigênio dissolvido, uma vez que ocorre reação de oxirredução entre o ferro e o gás oxigênio da água, formando o óxido de ferro.
E) Os metais identificados na água lamacenta dos rios têm efeitos cumulativos na cadeia alimentar, de modo que os últimos indivíduos ao longo da cadeia contaminada apresentam maior concentração desses metais.

02) (UEG/2016) O fragmento de texto a seguir foi escrito pelo biólogo Lucas Perillo, que questiona se os impactos da tragédia de Mariana, bem como o histórico de mineração no estado de Minas Gerais, valem a pena.

Sou mineiro, parte do povo das Minas Gerais. Essa é alcunha que tenho orgulho de carregar. Indica o lugar em que nasci, indica o lugar que escolhi para construir minha história de vida e remete às escolhas de vida de meus antepassados. Mas junto com esse grande orgulho vem preso um fardo pesado. Há séculos somos aqueles que sustentam o mundo com produtos vindos do minério. Seja para cobrir igreja de dourado, seja para engordar lastro de bancos europeus ou para aumentar as pilhas de minérios nos depósitos chineses. Primeiro foi o ouro e agora o famoso minério de ferro. Nada mudou. Só a escala. Agora temos que tirar toneladas do solo brasileiro, solo mineiro, para esmolar algumas centenas de dólares. Ontem, (05/11/2015), o minério de ferro fechou em alta de 0,14%. Notícia boa! O com pureza de 62% está sendo negociado no porto de Qingdao a impressionantes 49,18 dólares. Bem próximo do valor que pagamos lá em casa pela conta de água e de luz por mês. O mesmo valor que custa uns 13 quilos de prego. Daqueles feitos de ferro mesmo…

Bem, no mesmo dia escuto a notícia na rádio. Barragem de rejeito rompe em Mariana. A história dessa barragem é triste, comove, mas não é a primeira na vasta biografia mineira.

PERILLO, L., Vale a pena? Biólogo questiona os impactos da tragédia de Mariana. Disponível em: <http://saudedomeio.com.br/valeapenaumareflexaosobreatragediademariana/>. Acesso em: 1 mar. 2016.

Em Mariana, o rompimento da barragem de Fundão destruiu 1.469 hectares em um percurso de 77 km de curso d’água, inclusive em áreas de preservação permanente. Sobre o impacto da mineração contextualizado acima, verifica-se o seguinte

A) a recuperação da biodiversidade aquática afetada no desastre depende da fotossíntese realizada por fitoplâncton, perifíton e macrófitas aquáticas submersas na lama.
B) um ecossistema distinto do original pode ser estabelecido na área soterrada, pois os materiais inertes dos rejeitos de mineração de ferro alteram a vegetação local.
C) populações da herpetofauna, avifauna e de mamíferos foram igualmente impactadas por uma onda de lama, sem estimativa de reequilíbrio da fauna local.
D) apesar da alta quantidade de espécies que morreram no rio Doce, o impacto ambiental foi minimizado pelo seguido período de reprodução dos peixes.
E) o desastre ocorreu em uma região de conservação da Mata Atlântica que abriga pequena parte da população brasileira.

03) (Mauá/2017) A bactéria Acidithiobacillus ferrooxidans tem sido utilizada para o bioprocessamento de cobre e ouro em minas ou para a recuperação de rejeitos metálicos em barragens. Essa bactéria tem a capacidade de alimentar-se do ferro presente nas rochas e liberar os metais preciosos impregnados, facilitando a sua extração.

Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/2013/12/18/mineracao-commicrorganismos/. Acesso em: 25 jul. 2016 (adaptado).

Esse processo também poderia ser utilizado para reduzir possíveis impactos ambientais antrópicos em

A) biorremediação de áreas contaminadas com petróleo e seus derivados.
B) tratamento do chorume gerado no tratamento de água para o consumo.
C) reciclagem de lixos eletrônicos, reduzindo a contaminação do ambiente por metais.
D) tratamento de água em substituição ao método de cloração em reservatórios próximos à área de mineração.
E) aterros sanitários para acelerar a decomposição da matéria orgânica depositada nessas construções.

04) (UPE/2018) Leia o texto a seguir:

No dia 5 de novembro de 2015, a cidade histórica de Mariana, que fez parte da Estrada Real, criada ainda no século XVII, foi o cenário principal do maior desastre ambiental da História do Brasil, de acordo com o Ibama. Por volta das 16h, a barragem de Fundão, da mineradora Samarco, se rompeu, provocando o vazamento de 62 milhões de metros cúbicos de lama de rejeitos de minério, matando 19 pessoas (entre moradores e funcionários da empresa), destruindo centenas de imóveis e deixando milhares de pessoas desabrigadas. O vazamento, considerado o maior de todos os tempos em volume de material despejado por barragens de rejeitos de mineração, provocou também a poluição do Rio Doce e danos ambientais que se estenderam aos estados do Espírito Santo e da Bahia.

Fonte: http://acervo.oglobo.globo.com/em-destaque/maior-desastre-ambiental-do-brasil-tragedia-de-mariana-deixou-19-mortos20208009#ixzz4n2UUJzg0

Quanto aos danos na natureza, é CORRETO afirmar que

A) o impacto ecológico é de fácil recuperação, necessitando se retirar a lama depositada no fundo do Rio Doce.
B) a fauna e a flora podem retornar naturalmente ao ambiente, quando a lama se dispersar por meio da vazão do rio.
C) o dano é irreversível, sendo considerado pelos cientistas como uma área morta após o desastre natural.
D) a Mata ciliar do Rio Doce funcionará como um filtro da poluição presente na lama de rejeitos de minérios, ajudando na recuperação natural do ambiente.
E) a recuperação do leito do rio ocorrerá mediante intervenções de desassoreamento e biorremediação, embora a fauna e a flora se recuperem lentamente.

05) (UECE/2017- 2ª FASE) O rompimento da barragem da mineradora Samarco, ocorrido em novembro de 2015, liberou enormes volumes de rejeitos de mineração, compostos principalmente por óxido de ferro, água e lama. Analise o que se diz a seguir sobre as consequências desse acidente ocorrido em Minas Gerais.

I. À medida que a lama atinge os ambientes aquáticos causa a morte de peixes, em função da falta de oxigênio dissolvido na água e da obstrução de suas brânquias.
II. A lama que cobre a área atingida, rica em matéria orgânica, auxilia o desenvolvimento de espécies vegetais, agindo na recuperação do ecossistema afetado.
III. O despejo dos rejeitos de mineração afetará não somente a vida aquática, mas provocará assoreamento e mudanças nos cursos dos rios, podendo levar ao soterramento de nascentes.

Está correto o que se afirma em

A) I, II e III.
B) I e II apenas.
C) II e III apenas.
D) I e III apenas

06) (UERJ/2017) O rompimento da barragem de contenção de uma mineradora em Mariana (MG) acarretou o derramamento de lama contendo resíduos poluentes no rio Doce. Esses resíduos foram gerados na obtenção de um minério composto pelo metal de menor raio atômico do grupo 8 da tabela de classificação periódica. A lama levou 16 dias para atingir o mar, situado a 600 km do local do acidente, deixando um rastro de destruição nesse percurso. Caso alcance o arquipélago de Abrolhos, os recifes de coral dessa região ficarão ameaçados.

A água do mar em Abrolhos se tornaria turva, se a lama atingisse o arquipélago. A turbidez da água interfere diretamente no seguinte processo biológico realizado nos recifes de coral:

A) fotossíntese
B) eutrofização
C) bioacumulação
D) tamponamento

07) (IFBA/2017) O rompimento da barragem da Mineradora Samarco é considerado um dos maiores desastres ambientais já registrados. Foram 600 km de lama e rejeitos, percorridos desde a Barragem do Fundão até o Oceano Atlântico. Tal cenário de destruição contribuiu para mortalidade de peixes, tornando-os impróprios para o consumo, inviabilizando a atividade pesqueira da região.

Fonte: http://www.jornaldotocantins.com.br/polopoly_fs/1.993157.1448150053!/image/image.jpg_gen/derivatives/landscape_800/image.jpg Acesso em:10/09/2016

Dentre as causas que contribuem para a mortalidade dos peixes, o processo que explica o ocorrido no Rio Doce é:

A) O fenômeno da eutrofização através do enriquecimento das águas do rio por matéria orgânica decorrente do deslizamento, que foi consumida posteriormente por decompositores aeróbicos, levando a anóxia do corpo d´água.
B) A lixiviação que representa a remoção dos nutrientes superficiais de forma intensa devido ao volume do deslizamento gerado.
C) A oxidação de componentes minerais presentes nos rejeitos reduziu o volume de gás oxigênio para os organismos vivos existentes no rio.
D) A bioacumulação por metais pesados presentes na água, pois é sabido que o acúmulo de tais metais relaciona-se diretamente com a redução do oxigênio.
E) A maré vermelha decorrente do aumento populacional das algas devido ao volume de nutrientes trazidos pelo deslizamento.

Sugestão de leitura

Resolução comentada das Questões sobre Rompimento de Barragens

01) De um modo geral, os metais pesados não são eliminados pelo organismo e, assim, acumulam-se ao longo da cadeia alimentar (processo conhecido como bioacumulação); consequentemente, os organismos pertencentes aos últimos níveis tróficos são aqueles que passam a apresentar as maiores concentrações desses metais.
Resp.: E

02) Com a secagem do material, tem-se um piso com características muito distintas do solo existente antes da deposição da lama. O local sofrerá um processo de sucessão ecológica e, muito seguramente, terá composição de fauna e de flora distinta da existente anteriormente.
Resp.: B

03) Seguindo a mesma linha de raciocínio, as bactérias poderiam ser usadas na reciclagem de lixo eletrônico, material rico em metais variados reduzindo, assim, a contaminação do ambiente.
Resp.: C

04) Uma consequência da presença do material particulado no rio é o seu assoreamento (o rio vai ficando mais raso em decorrência da deposição de sedimentos). Dessa forma, de imediato, é preciso fazer o desassoreamento dos rios e utilizar de micro-organismos e outros organismos para a remoção/ redução da concentração de certos poluentes (processo conhecido como biorremediação). À medida que o rio for sendo despoluído, a fauna e a flora vão se restabelecendo naturalmente.
Resp.: E

05) Apenas o item II está errado. A lama é muito pobre em matéria orgânica. Após a secagem da lama, o solo passa a apresentar características muito distintas quando comparadas antes da deposição.
Resp.: D

06) A água se tornando mais turva (maior turbidez = maior quantidade de partículas dispersas), reduzirá a penetração de luz, comprometendo a taxa fotossintética.
Resp.: A

07) A mortalidade dos peixes pode ser decorrência de diversos fatores como, por exemplo, a redução do teor de oxigênio na água (devido à oxidação dos metais presentes e/ou redução da taxa fotossintética) e acúmulo de sedimentos nas brânquias, dificultando ainda mais as trocas gasosas.
Resp.: C


GUIA DO ENEM 2019

O Portal VestibulandoWeb reuniu as principais informações para quem vai fazer as provas do Enem 2019. Cadastre-se e receba o Guia do Enem 2019 em seu email, GRATUITAMENTE.


Comentários