Análise do livro Quincas Borba, de Machado de Assis

Narrativa de Quincas Borba

Narrado em terceira pessoa, é considerado o mais objetivo dos romances de Machado de Assis Publicado em 1891, ou seja, 10 anos depois da mudança radical trazida por Memórias Póstumas de Brás Cubas, o romance Quincas Borba pode ser visto como irmão da obra que inaugurou o Realismo Brasileiro. Não tem as inovações deste, mas ainda se percebe, ainda que de forma menos intensa, o mesmo dom ao trabalhar com a digressão, ironia e metalinguagem. É um desdobramento da problemática e da narrativa de Memórias Póstumas de Brás Cubas

Outro ponto de contato é o fato de Quincas Borba ser personagem que já fazia parte de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Amigo de infância do autor defunto, tinha decaído de abastado para mendigo, depois, recebendo uma herança, tornara-se rico e criador de uma filosofia, o Humanitas ou Humanitismo.

Essa teoria é justamente o principal mote comum entre as duas obras. Há quem diga que se trata de uma paródia de Machado de Assis às inúmeras filosofias que surgiram no final do século XIX, em que todos pareciam ter uma explicação sobre tudo. No entanto, existe também a possibilidade de se ver aqui uma metaforização do próprio ideário a que o grande autor realista se apegava (interessante é notar que o fato de duas interpretações que enxergam tons opostos no Humanitas é um aspecto muito esperado na literatura machadiana, acostumada a conciliar elementos contraditórios, dilemáticos de nossa existência. Faz lembrar o último capítulo de Quincas Borba, em que se mencionam que para as estrelas, bem acima do gênero humano, lágrimas e risos acabam tendo o mesmo valor na indiferença dos tempos).

Tempo e espaço

A história inicia-se em 1867, em Barbacena, MG, estendendo-se para o Rio de Janeiro, a partir de 1870. O desfecho dramático de Rubião é, também, em Barbacena, alguns anos depois.

Foco narrativo

O principal elemento da estrutura da narrativa de Machado de Assis é o narrador. Em Quintas Borba, também é um personagem dúplice, narrando em primeira ou terceira pessoa, ele está fora da narrativa, mas às vezes, assume o “eu narrado. Ex.: “Este Quincas Borba, se acaso me fizeste o favor de ler as…”.

É onisciente, e interfere na história, fazendo comentários e dirigindo-se ao leitor. Sua participação é, portanto, interventiva.

Machado de Assis foi um antecipador da chamada estética de receptação ao incluir em suas narrativas, o diálogo entre o narrador e o leitor. Este é, também, personagem, um leitor virtual, explicitado ou não na narrativa.

Enfim, são diferentes as formas como Machado de Assis estabelece o diálogo entre narrador – o personagem que conta a história – e o leitor – personagem para quem se narram os fatos – antecipando, em quase cem anos, a importância desses elementos na narrativa contemporânea e a participação do leitor implícito, intratextual, para a elaboração do sentido do texto.

Quincas Borba

  • Resumo do livro Quincas Borba, de Machado de Assis
  • Problemática do livro Quincas Borba, de Machado de Assis
  • Problemática do livro Quincas Borba, de Machado de Assis
  • Enredo do livro Quincas Borba, de Machado de Assis
  • Análise do livro Quincas Borba, de Machado de Assis
  • Personagens do livro Quincas Borba, de Machado de Assis
  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.