Unicamp 2022: 1ª fase do vestibular tem a menor abstenção em oito anos

A Unicamp aplicou neste domingo, 07 de novembro, a 1ª fase do vestibular 2022, que teve uma abstenção de 7,7%, a menor desde 2014, segundo a comissão que organiza a prova, a Comvest. A prova foi aplicada para 58.425 dos 63,2 mil candidatos inscritos, e não houve incidentes.

Veja abaixo as taxas de abstenção nos anos anteriores:

2022 – 7,7%
2021 – 13,80%
2020 – 8,27%
2019 – 8,59%
2018 – 9,02%
2017 – 8,64%
2016 – 8,20%
2015 – 8,0%
2014 – 6,9%
2013 – 7,6%
2012 – 7,4%
2011 – 6,9%
2010 – 5,3%

Em relação ao vestibular anterior, a taxa de abstenção diminuiu em 44,2%. Ao todo, houve 4.873 ausências.

A Comvest informou que Piracicaba teve o menor índice de ausentes, com 4,71%. São Paulo, a cidade com o maior número de candidatos, fechou com 13.295 presentes, 984 faltas e índice de 6,89%.

Já em Campinas, dos 9.152 inscritos, 8.294 realizaram a prova e 858 se ausentaram. O índice ficou em 9,38%.

Nas capitais, além de São Paulo, Salvador obteve menos de 10% de ausentes, com índice de 8,27%. Belo Horizonte (11,74%); Curitiba (12,08%); Fortaleza (12,32%); e Salvador (12,82%) também tiveram provas.

Para o diretor da comissão, José Alves de Freitas Neto, três aspectos explicam a redução na taxa de ausentes. Um deles é a redução também do número de inscritos.

Neste ano, houve queda de 18,48% no número de candidatos em relação ao recorde histórico do vestibular anterior, que teve 77.653 cadastros.

O outro fator defendido pelo diretor é que a prova condiz com a situação pandêmica atual, tanto em relação à abordagem quanto ao formato.

Por fim, ele também acredita que a ampliação do tempo de prova para cinco horas serviu de motivação.

“No geral, a prova reafirma o estilo da Unicamp. Uma prova adequada aos conteúdos de ensino médio, uma prova atual, porque trata dos temas que circulam pelo universo dos estudantes, trata de ciências, de minorias, de pluralidade, de liberdade de expressão e de pensamento”, resume o diretor.

Coordenadora acadêmica do vestibular da Unicamp, Maria Rodrigues de Sousa Mendonça explicou que a prova se preocupou em abordar temas contemporâneos, que interessam ao debate social, pela ótica de diferentes disciplinas.

“Então nós tivemos, por exemplo, temas como a memória indígena, a questão do refúgio à vacina, o preço atual da gasolina, o caso do encalho do navio lá no Canal de Suez, que chega a ser quase um caso anedótico, alguns empregos essenciais ou não na pandemia, os biomas, efeito ou não da hidroxicloroquina, história da África, noção de governo e estado”, disse Sousa.

“Então nós pegamos temáticas e assuntos que são abordados na escola, mas tentando ligar esses assuntos e essas temáticas a demandas sociais concretas”, completou a professora.

Calendário do Vestibular Unicamp 2022

18/11: divulgação dos aprovados na prova de habilidades específicas em cursos de música;
13/12: publicação da lista de aprovados na 1ª fase, locais de prova da 2ª fase e notas de corte;
09 e 10/01/2022: aplicação de provas da 2ª fase;
13 a 15/01: provas de habilidades específicas para arquitetura e urbanismo, artes cênicas, artes visuais e dança;
14/02: divulgação da primeira chamada de aprovados no vestibular;
15 a 17/02: matrícula on-line dos aprovados em primeira chamada;

Universidade de Campinas – Unicamp (Foto: Unicamp/Reprodução)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.