NoticiasVestibular

Fuvest divulga Obras de Leitura obrigatória dos vestibulares 2026, 2027, 2028 e 2029

A Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) divulgou a lista de obras de leitura obrigatória para as edições de 2026, 2027, 2028 e 2029 do tradicional vestibular da Universidade de São Paulo (USP).

Nos anos de 2026 a 2028, a lista será composta exclusivamente por obras de autoras mulheres da língua portuguesa, marcando um momento significativo na história do exame, pois é a primeira vez que os homens não estão representados nessa seleção.

NOTA DE CORTE SISU

Clique e se cadastre para receber as notas de corte do SISU de edições anteriores.

QUERO RECEBER AS NOTAS DE CORTE DO SISU

A mudança representa um passo importante em direção à equidade de gênero na literatura e na educação. A inclusão exclusiva de autoras femininas destaca o trabalho significativo e muitas vezes subestimado de mulheres escritoras da língua portuguesa ao longo da história.

Para a edição de 2029, a Fuvest reintroduzirá autores masculinos, incluindo nomes icônicos como Machado de Assis e Érico Veríssimo.

Publicidade

No entanto, a lista também será enriquecida com a inclusão de quatro obras de autoras e autores negros, marcando outro avanço em direção à diversidade e representatividade na literatura.

Vej a abaixo as listas completas das obras de leitura obrigatória para as próximas edições da Fuvest:

Publicidade

Lista de obras de leitura obrigatória da Fuvest 2026

“Opúsculo Humanitário” (1853) – Nísia Floresta
“Nebulosas” (1872) – Narcisa Amália
“Memórias de Martha” (1899) – Julia Lopes de Almeida
“Caminho de pedras” (1937) – Rachel de Queiroz
“O Cristo Cigano” (1961) – Sophia de Mello Breyner Andresen
“As meninas” (1973) – Lygia Fagundes Telles
“Balada de amor ao vento” (1990) – Paulina Chiziane
“Canção para ninar menino grande” (2018) – Conceição Evaristo
“A visão das plantas” (2019) – Djaimilia Pereira de Almeida

Lista de obras de leitura obrigatória da Fuvest 2027

“Opúsculo Humanitário” (1853) – Nísia Floresta
“Nebulosas” (1872) – Narcisa Amália
“Memórias de Martha” (1899) – Julia Lopes de Almeida
“Caminho de pedras” (1937) – Rachel de Queiroz
“A paixão segundo G. H.” (1964) – Clarice Lispector
“Geografia” (1967) – Sophia de Mello Breyner Andresen
“Balada de amor ao vento” (1990) – Paulina Chiziane
“Canção para ninar menino grande” (2018) – Conceição Evaristo
“A visão das plantas” (2019) – Djaimilia Pereira de Almeida

Lista de obras de leitura obrigatória da Fuvest 2028

“Conselhos à minha filha” (1842) – Nísia Floresta
“Nebulosas” (1872) – Narcisa Amália
“Memórias de Martha” (1899) – Julia Lopes de Almeida
“João Miguel” (1932) – Rachel de Queiroz
“A paixão segundo G. H.” (1964) – Clarice Lispector
“Geografia” (1967) – Sophia de Mello Breyner Andresen
“Balada de amor ao vento” (1990) – Paulina Chiziane
“Canção para ninar menino grande” (2018) – Conceição Evaristo
“A visão das plantas” (2019) – Djaimilia Pereira de Almeida

Lista de obras de leitura obrigatória da Fuvest 2029

“Conselhos à minha filha” (1842) – Nísia Floresta
“Nebulosas” (1872) – Narcisa Amália
D. Casmurro” (1899) – Machado de Assis
“João Miguel” (1932) – Rachel de Queiroz
“Nós matamos o cão tinhoso!” (1964) – Luís Bernardo Honwana
“Geografia” (1967) – Sophia de Mello Breyner Andresen
“Incidente em Antares” (1970) – Érico Veríssimo
“Canção para ninar menino grande” (2018) – Conceição Evaristo
“A visão das plantas” (2019) – Djaimilia Pereira de Almeida

A lista de obras de leitura obrigatória para a edição de 2025 da Fuvest, que já havia sido divulgada em 2021, permanecerá inalterada. Para relembrar, as obras são as seguintes:

Lista de obras de leitura obrigatória da Fuvest 2025

Marília de Dirceu” – Tomás Antônio Gonzaga
“Quincas Borba” – Machado de Assis
“Os ratos” – Dyonélio Machado
“Alguma Poesia” – Carlos Drummond de Andrade
“A Ilustre Casa de Ramires” – Eça de Queirós
“Nós matamos o cão tinhoso!” – Luís Bernardo Honwana
“Água Funda” – Ruth Guimarães
“Romanceiro da Inconfidência” – Cecília Meireles
“Dois irmãos” – Milton Hatoum

A Fuvest reafirma seu compromisso com a promoção da diversidade na literatura brasileira e lusófona, reconhecendo a importância de representar diferentes vozes e perspectivas em suas listas de leitura obrigatória.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *