USP implanta mudanças no vestibular da Fuvest de 2023

O Conselho de Graduação aprovou, no dia 23 de junho, três mudanças importantes no concurso vestibular da Fuvest para 2023: alterações na forma de classificação dos aprovados; a implementação de uma comissão que fará a verificação da autodeclaração dos candidatos concorrentes às vagas destinadas a pretos, pardos e indígenas (PPI) antes da confirmação da matrícula; e a obrigatoriedade da apresentação do comprovante do esquema vacinal completo e doses de reforço para os calouros.

As mudanças valem para as 8.230 vagas oferecidas pelo vestibular da Fuvest. Os critérios de seleção das 2.917 vagas ofertadas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), voltado aos candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), não sofreram alterações.

“A inclusão social e as políticas de permanência estudantil são duas metas que fazem parte de nosso programa de gestão à frente da Reitoria. A USP é agente importante na sociedade brasileira e deve servir de modelo na busca da equidade e da diversidade. Um primeiro passo nesse sentido foi a criação da Pró-Reitoria de Inclusão e Pertencimento e, agora, a implementação de mudanças no vestibular para aperfeiçoar o processo e definir conceitos”, afirmou o reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior.

A partir do próximo ano, todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas destinadas à Ampla Concorrência (AC). Os candidatos que, independentemente da renda, cursaram integralmente o Ensino Médio em escolas públicas brasileiras também poderão concorrer às vagas destinadas à Política de Ação Afirmativa Escola Pública (EP). Da mesma forma, os candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas que, independentemente da renda, tenham cursado integralmente o Ensino Médio em escolas públicas brasileiras, caso desejem, poderão concorrer também às vagas destinadas à Política de Ação Afirmativa Pretos, Pardos e Indígenas (PPI).

Todos os candidatos inscritos para um curso, independentemente da categoria em que se inscreveram (Ampla Concorrência, Escola Pública ou PPI) serão classificados de acordo com sua nota no vestibular. Dessa forma, serão preenchidas primeiramente as vagas para Ampla Concorrência, depois as vagas para Escola Pública, seguindo os critérios para essas vagas, e só depois as vagas para PPI.

A alteração tem o objetivo de corrigir eventuais distorções e ampliar as possibilidades dos candidatos EP e PPI já que, além das vagas reservadas para cada grupo, esses candidatos disputarão também as vagas de ampla concorrência.

“Isso significa que, em 2023, provavelmente teremos um número maior de ingressantes egressos da escola pública e autodeclarados pretos, pardos e indígenas, pois também concorrerão às vagas destinadas à AC, assim como os candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas também concorrerão às vagas destinadas à EP. A mudança aprimora a política de ações afirmativas da USP ao pretender uma configuração do corpo discente mais próxima da realidade social brasileira”, explica o pró-reitor adjunto de Graduação, Marcos Garcia Neira.

Comissão de verificação

Outra novidade para o próximo vestibular é a implementação de uma comissão para verificar a autodeclaração de raça do candidato PPI e identificar possíveis casos de fraude antes da confirmação da matrícula.

A composição da comissão e os critérios para a verificação da autodeclaração ainda serão definidos pelo Conselho de Inclusão e Pertencimento da USP.

No ato da matrícula, também será obrigatória a apresentação da comprovação de vacinação contra a covid-19 (esquema vacinal completo) e de eventuais doses de reforço.

Fonte: Erica Yamamoto, do Jornal da USP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.